SONORA COLETIVA

Um dos artistas mais populares e censurados do país, Odair José, conversa sobre a sua carreira musical no próximo Sonora Coletiva, transmitido pelo canal do multiHlab, no YouTube, no dia 26 (quinta-feira), às 19h.

No início dos anos 1970, Odair José lançava a canção que seria um de seus maiores sucessos. Logo, “Vou tirar você desse lugar” estourou e fez com que ele se tornasse um dos maiores vendedores de LPs do país, rivalizando, inclusive, com o líder da Jovem Guarda, Roberto Carlos. Nos álbuns seguintes, emplacou outros megassucessos, como “Deixe essa vergonha de lado”, “Uma vida só (Pare de tomar a pílula)” e “Eu, você e a praça”. Assim, estava lançada a base do que seria o trabalho musical desse verdadeiro cronista social e popular que, abordando temas inéditos relacionados ao comportamento, invadia a chamada MPB.

Popular e, ao mesmo tempo, perseguido pela censura, que vetou ou mutilou cerca de 40 de suas canções, Odair José tornou-se um dos nomes mais perseguidos pela ditadura civil-militar e pela Igreja Católica, ao tratar de temas relacionados a costumes e comportamentos. Em 1978, após lançar a ópera popular “O filho de José e Maria”, foi excomungado pelo Vaticano. Sem nunca ter deixado de produzir novos álbuns e realizar shows, em 2019, Odair José lançou o CD “Hibernar na casa das moças ouvindo rádio”, que logo ganhou uma versão em vinil. O álbum conta com a participação de Jorge Du Peixe, da Nação Zumbi.

 

Ao longo de 50 anos de carreira, Odair José já lançou 37 álbuns solos e teve dezenas de suas canções veiculadas em trilhas de cinema, novelas e em coletâneas de sucessos. Em 2006, foi homenageado por alguns dos principais nomes das novas gerações do pop-rock brasileiro, que fizeram releituras de 15 de seus maiores sucessos, resultando no álbum “Vou tirar você desse lugar”, lançado pelo Allegro Discos.

O CD tributo contou com a presença de artistas e bandas como Pato Fu, Mombojó, mundo livre s.a., Paulo Miklos (Titãs), Zeca Baleiro, Picassos Falsos, entre outros. A canção título do tributo já havia sido interpretada e gravada por Odair José e Caetano Veloso, que a cantaram, juntos, no evento Phono 73, quando ambos eram artistas contratados da Phillips, e fez parte de um dos três LPs lançados pelo selo ainda nos anos 1970, com a participação de alguns dos mais expressivos nomes da MPB.

Autêntico cronista social, Odair José conversará com os pesquisadores Allan Monteiro, Cristiano Borba e Túlio Velho Barreto, editores do canal, que vêm desenvolvendo atividades no Núcleo de Imagem, Memória e História Oral (NIMHO), do Centro de Documentação e de Estudos da História Brasileira (Cehibra), coordenado por pesquisadores da Fundaj, entre eles Sylvia Couceiro e Cristiano Borba. Nesse projeto, registram depoimentos de artistas e pessoas envolvidas com as cenas musicais de Pernambuco entre 1970 e 2000.

 

 

SAIBA MAIS:

SONORA COLETIVA é o canal experimental da revista eletrônica de divulgação científica COLETIVA, publicada pela Fundaj. Sediada no Recife, a revista disponibiliza dossiês temáticos com uma perspectiva de diálogo entre saberes acadêmicos e outras formas de conhecimento, prezando pela diversidade sociocultural e liberdade de expressão. É voltada para um público amplo, curioso e crítico. O projeto integra o ProfSocio, o multiHlab e a Villa Digital, envolvendo ainda as diversas diretorias da Fundaj.

MARCA PREFERENCIAL PNG (1).png