Mestre Meia-Noite: o corpo que nos educa dançando

Por Débora Oliveira

Ao invés de simplesmente escrever sobre corpo, nós, da Revista Coletiva, tiramos os sapatos, demos uma pausa na rotina de redação e fomos até o Centro  de Educação e Cultura Daruê Malungo dançar com um animado grupo de jovens e crianças. Trocamos nossas escrivaninhas e computadores pela experiência do corpo em movimento. Arriscamos alguns passos com o Mestre Meia-Noite, bailarino, educador e mestre de capoeira, que nos contou um pouco da sua trajetória, o que entende por corpo, e da importância da dança como arte educativa.  

 

O  Centro  de Educação e Cultura  Daruê Malungo, localizado no bairro de Peixinhos, periferia do Recife (PE), foi fundado em outubro de 1988. O Daruê surgiu do desenvolvimento de ações realizadas pelo Mestre Meia-Noite, batizado Gilson José de Santana. As atividades locais foram iniciadas com um pequeno grupo de crianças da comunidade de Chão de Estrelas e adjacências, que se encontravam em situação de vulnerabilidade social. 

 

Vilma Carijós, presidenta da instituição, afirma que o Centro atende cerca de 50 crianças, adolescentes e jovens, que participam de diferentes atividades, tais como danças da cultura popular e afro-brasileira, percussão, artes plásticas e visuais. Inicialmente pensado como um espaço cultural, o Daruê também oferece reforço escolar, adaptando-se a partir das demandas trazidas pelas crianças atendidas. 

 

Além disso, o Daruê Malungo presta assistência às famílias das crianças em situação de vida precária. Por ser uma instituição não governamental e sem fins lucrativos, o Centro Daruê Malungo conta com doações financeiras e materiais, bem como com o serviço de voluntários para as formações sócio-educativas e manutenção do espaço.

APOIO
LABJOR/UNICAMP
REALIZAÇÃO
FUNDAÇÃO JOAQUIM NABUCO